Pages

Friday, October 31, 2008

The world lives in Stepford

Eu não compreendo; a rapariga é solteira, vive sozinha, não tem marido nem filhos e ainda diz que não tem tempo!!
.
Tenho ódio a quem faz afirmações como esta. Detesto que relativisem a vida de uma pessoa porque lhe falta alguns dos requisitos que a sociedade ainda insiste colocar nos ombros das mulheres. Afinal o que é que interessa se uma mulher tem marido e filhos? Porque é que subitamente a sua vida perde importância? E o contrário para os homens; despertam-se-me instintos sanguinários cada vez que alguém coloca um homem num pedestal só porque este faz a lida da casa. E então? Qual é a surpresa?? Porque é que volta e meia parece que voltámos aos anos cinquenta??? Estas coisas deixam-me tão danada que nem consigo verbalizar como deve ser!!

Ideias para o Halloween

video

Thursday, October 30, 2008

A formiga volta à faculdade

Mas não me apetece nada! Podia tossir um pouco ou fungar do nariz e fazer uma voz ensonada e fanhosa, mas a verdade é que já estou em condições de regressar. Desta vez vou ser responsável.

Wednesday, October 29, 2008

Quase no Halloween


Com vontade de festejar algo...

Something new

Comecei um novo projecto. Nos meus tempos livres vou testando, experimentando e avançando muito lentamente. Mais uma bola para complicar o meu malabarismo de sempre. Desta vez, embora os prazos não sejam muito folgados, é somente uma questão de juízo e de auto-controlo para que nada caia ao chão. Já consegui antes. Vou conseguir outra vez.

Tuesday, October 28, 2008

PJ party

Segundo dia a curar a constipação. Pijaminha da Disney, caneca monumental de chá na mesa de cabeceira, livros e sebentas ao lado, caixa de lenços junto da almofada, cocktail de comprimidos bem perto e montes das minhas velhas cassetes Disney em cima do video. Enfim, o mesmo de sempre. Suspiro. É bom ser consistente!

Monday, October 27, 2008

Time off

Hoje é dia de You've got mail. De repor o sono e de curar a constipação que já se adivinhava. É dia de encoscar no sofá a ver o meu bálsamo de sempre e de ir lendo as sebentas de forma consistente e intercalada. O último porque tenho trabalho e porque necessito de me sentir útil e funcional. O primeiro porque estou fraquita e porque hoje preciso mesmo de mimo...

Memoing me

Só tenho uma coisa para me dizer: pensar menos e fazer mais. Não tenho razões nenhumas para piquenas pontadas de tristeza e para gestos contidos. Se tinha então deixarei de ter. Apartir de agora faço questão de deixar o passado lá fora. São águas passadas e já não servem de desculpa. A mesma coisa com as neuras.
.
O que é que se passa Joaninha, estás bem? Hoje estás estranha. E não era só cansaço. Era esse sim, que me impedia de combater o que me assolava estupida e temporáriamente. Sabem que mais? Não me interessa chegar ao cerne da questão. Já pensei de mais, aliás, passo a vida a fazê-lo. Mais do que convencer os outros, tenho de me convenser intrínsecamente daquilo que disse. Ponto final.

Sunday, October 26, 2008

Broad smile

Tenho os olhos todos ramelosos, os pés e as pernas feitos em fanicos e estou rouca até mais não. Parece as manhãs do Andanças. E sabe bem. Pela familiariedade da dor que mói e prende os músculos. E porque hoje acordei com uma mazurka tocando na minha cabeça. Viva o Fest-i-ball! Viva Cobblestones. Viva Parasol. Posso não estar nas melhores condições físicas para um casamento, mas tenho o coração cheiínho a transbordar.

Saturday, October 25, 2008

Preciso de um momento zen!


Estou a stressar!!!!

Às vezes sou tão ingénua...

E eu a pensar que na véspera de um casamento conseguia avançar com as leituras da faculdade...

Friday, October 24, 2008

Adeus tristeza, até depois*

Enquanto as lágrimas não chegam pego nas recordações que hoje me fariam chorar e coloco-as todas, com muito jeitinho, em frascos de compota vazios. Deixo-as todas bem guardadas e longe dos meus olhos. Vamos trabalhar.

*Fernando Tordo, Adeus tristeza

Empty stage

No outro dia sentei-me em cima do palco e tive uma súbita vontade de chorar. Chorar de saudade. Pelas vezes sem fim que fizemos a segunda coreografia ali. Pelas inúmeras vezes que ali nos sentámos para recuperar o fôlego e ouvir a Tânia resmungar que não era assim, que era assado, que a cabeça está no tempo errado ou os movimentos estão com pouco impacto. Pelas garrafas de água que ali ficaram esquecidas depois dos ensaios; da galhofa, das fotos, de tudo... Não estou exactamente triste. Tenho apenas muitas saudades.

Thursday, October 23, 2008

Brainwashing myself


«Sou uma formiga, sou uma formiga, sou uma formiga»

The people pleaser curse

Esta minha capacidade de ver os dois lados da questão chega a ser bastante problemática. É uma neura quando percebemos ambas as facções e temos de escolher um lado e no fundo não conseguimos perceber exactamente onde ficar porque é impossível ignorar que há algo do outro com o qual nos identificamos e simultaneamente não conseguimos distinguir qual chama mais forte. Isto advém de um desejo feito intríseco de agradar. Por vezes sinto que me nasceu uma cauda e que tenho uma necessidade permente de andar atrás dos outros a abaná-la. (Eu sei que isto não abona muito a meu favor, mas é mesmo assim!) Que raramente consigo dizer não com segurança. É uma flexibilidade empática que muitas vezes dá jeito, mas que na maioria só atrapalha. Devo ser das pessoas com maior dificuldade em fazer uma escolha. Se isto é mesmo produto de anos e anos a dar à cauda, então não há mesmo nada a fazer senão contrariar o que já se enraizou. E vai saindo. E vai acontecendo. Mas com vinte e dois já queria ser mais segura do que se tivesse menos dez. Or maybe I'm just a late blommer...

Boys will be boys

Encontrei-o. Nem tive de o procurar. Ao princípio da tarde, quando levantei os olhos ele tinha-se materializado à minha frente. É mais um. Outro macaco de 22 anos. Porque é que ainda me surpreende? Realmente não vale a pena.

Digamos que não está no meu C.V.

Não tenho grande apetencia ou competencia para fazer de formiguinha. Eu sou mais a cigarra que chega ao Inverno e morre de frio. Preciso de pressão, o problema é que tenho uma certa incapacidade para determinar quando é que a pressão é suficiente e quando é que já estamos prestes a chegar ao apocalipse. Tudo bem, vamos lá tentar outra vez...

Wednesday, October 22, 2008

Rush

O que é bom é aquela sensação que nos enche o estômago quando pensamos que temos tanto para fazer, e que em breve os prazos estarão à porta. É esse misto de antecipação com um leve terror, é o sentir que acabámos de lavar a cara com água gelada. Esse saber que é preciso arregaçar as mangas e seguir em frente. Já. Porque não há tempo a perder. É uma pena que não fique. É uma pena seja um arrepio de alguns segundos. Pena que não se possa guardar no bolso.

Só para não esquecer que é Outuno


Caminho até ao Vale Encantado

Aos pouquinhos vou soltando as amarras. Coisas que foram muito importantes para mim mas que hoje começam a pesar-me. Sei que estou a fazer o mais responsável, que sou nova demais para criar raízes, que tenho mais é que estender as asas. Mas mesmo assim ainda custa. Pode ser a escolha mais acertada, mas mesmo assim ouvir a voz das pessoas ainda dói. Magoa saber que as coisas vão mudar. Mas a vida é mesmo assim. E enquanto me liberto do que trago nas mãos vou-me sentindo mais sozinha. O horizonte é vasto e eu sinto-me vazia.

Worlds will die and worlds will grow*

Já sei que nada é eterno. Pensei que fossemos como a parábola das canas de verga, mas hoje em dia a vida é mais complicada que um conto bíblico. Tem uma variedade muito maior de numeradores e denominadores. Tenho o rosto seco e estou tranquila. Não me vou deixar destroçar por algo que está totalmente fora do meu alcance e que nem significa necessáriamente o fim. Acredito que ficaremos bem, seja cá dentro, seja lá fora.

*Lord of the Rings, the Musical

Tuesday, October 21, 2008

Outono em extinção

Nos dias de hoje o Outono é aquela estação (cada vez mais) breve com cerca de quatro ou cinco semanas compreendida entre o regresso às aulas e o Natal. Passei recentemente por uma mulher a vender castanhas e automaticamente pensei: Ainda? Mas já estamos quase no Natal! E juro que no segundo seguinte (e nos muitos outros depois desse) me apeteceu ir comprar um taco de basebol para me agredir. Com força.

Monday, October 20, 2008

Friendship is a two way street

Tenho muitas amizades que ficaram-se pelas reticências. Um dia dissémos até amanhã e no dia seguinte nada aconteceu. Nem no outro. Nem no outro. Nem no mês seguinte, nem no ano a seguir. Por vezes olho para trás e tenho remorsos daquilo que não alimentei. Porque as amizades são como as flores; umas precisam de mais àgua que outras mas, com um pouco de cuidado e atenção, (quase) tudo se mantém viçoso.
.
Então penso e a outra pessoa? Sim, só porque eu nunca disse nada isso não teria necessáriamente de ser o fim. Nestas coisas a culpa é de ambas as partes e esse pensamento deixa-me tranquila. Continuo a retroceder no tempo e frequentemente apercebo-me de como na esmagadora maioria das vezes era eu quem aparecia com planos e programas, ou era meu esse email ou esse telefonema que nos alimentava a amizade. Talvez afinal não se tenha perdido muito. É um pensamento triste e provavelmente injusto que nunca se aferrou às paredes do meu coração porque no fundo é algo no qual eu nõ consigo acreditar.
.
Talvez um dia volte atrás e retome essas amizades interrompidas no tempo. Quem sabe não crio um jardim...

Escolhendo a pétala certa


Este podia ser o início de mais uma temporada bastante salgada. Acontece que ainda tenho uma palavra a dizer e escolho ser feliz.

Metamorfoses

É engraçado como as pessoas mudam. Como pensamos que as coisas serão sempre assim, criamos um pequeno livro de instruções e decoramos que a pessoa se comporta assim ou assado, que perante o cenário A segue-se a resposta B ou B.1. E pensamos tudo bem, esta pessoa é assim, não vale a pena esperar aquilo que já sei não vou conseguir retirar daqui. E decidimos que mesmo assim vale a pena, investimos num relacionamento com algumas linhas e balizas. Subitamente, sem saber bem como ou desde quando exactamente, damos pelas diferenças. Gestos que não estavam nem ali nem nos planos. E perguntamo-nos como raio??? Não é uma questão de ver a pessoa com outros olhos ou num cenário diferente. Não, trata-se dos mesmos programas e conversas de sempre, mas alguma coisa fez disparar o gatilho e não conseguimos descobrir o quê. E isso interessa? Claro que não...

Sunday, October 19, 2008

Domingos são coisas esquisitas...

Não sei bem que faça... Acho que vou dormir a folga...
.
(porque este blogue fala de assuntos muito profundos...)

Autumn funnies

Chuva tudo bem, dispensava era os cubos de gelo que cairam na chuvada de ontem!

Cause everyone has a past...

O giro de ver filmes relativamente antigos é que encontramos actores que são hoje bastante consagrados a fazerem papeis que não interessam nem ao menino Jesus.

Saturday, October 18, 2008

Hitting the refresh button

Admito que tenho uma (ligeira?) obcessão por recomeçar do zero quando as coisas não me estão a correr tão bem como desejaria. Mas também quando realmente empanámos mais vale rasgar a página e seguir noutra direcção. E também ninguém disse que não se pode começar o dia às sete da noite! Vamos lá então...

1984 all over again...

Big Brother is watching you...
.
sinto-me observada...

Newsflash

Eu sempre pensei que o meu modesto blogue era assim uma coisinha de nada, sem grande importância e sem grandes pretenções expansivistas. Agora venho a saber que aparentemente este espaço é o "reflexo da minha alma" e que chega a mais (e determinadas) pessoas do que eu pensava. Ora esta...

Friday, October 17, 2008

Who's that girl?

Voltei a cortar o cabelo. Juro que não conheço a rapariga que me olha nos reflexos das montras. Parece que voltámos a Abril. Pelo menos desta vez não tenho um penacho com a mania que é uma antena. Acho que vou ficar caladinha no meu canto e deixar que a Laura faça o resto.

"É necessário amar o avô",

dizia Afonso da Maia. Isto algures por 1860. Mas os tempos mudaram. Agora amamos apenas quem temos perto ou quem se prende decisivamente no nosso coração. Laços por laços significam muito pouco. Cá dentro pelo menos. Seguem-se as tradições mas o coração vai vazio. Pode parecer triste, mas é mesmo assim. Cresci num hiato familiar, e agora que as pessoas se voltam a juntar com relativa frequência é já tarde para alguns. Afonso da Maia já lá vai e é pena que algumas pessoas tenham ficado paradas no tempo. Ter o dever de amar... Não acho que seja assim que funcione...

Thursday, October 16, 2008

Autumn flavour


Este começar a dizer sete da noite, este regresso dos chás, das pantufas, das mantinhas que não aquecem mas aconchegam, do ter mangas para arregaçar, do cheiro a castanhas na rua, de todas essas pequeninas coisas. Já começa a saber a Outono.

About a boy - Our personal Jiminy Cricket

Will wrestled with his conscience, grappled it to the ground and sat on it until he couldn't hear a squeak out of it. Why should he care if Marcus went to school or not? OK, wrong question. He knew very well why he should care whether Marcus went to school. Try a different question: How much did he care whether Marcus went to school or not? Answer: not a lot. That was better. He drove home.
About a boy, Nick Hornby

On and on...

É um sentimento assustador e simultaneamente com um certo sabor a traição perceber que o mundo não parou connosco. Que ele continua, mesmo se houver um hiato na nossa vida. E quando voltamos nunca é para o mesmo sítio onde parámos. Nesse entretanto as coisas não deixaram de acontecer, aulas foram dadas, trabalhos foram feitos, e há uma pilha crescente de coisas por fazer, de coisas para arrumar, de coisas para organizar. Porque o mundo não pára e o tempo não espera.

Wednesday, October 15, 2008

O comboio vai seguindo e acelerando

E eu começo a ficar para trás. Nada de preocupante, não fosse o meu jeitinho para me acomodar e acabar por cair no caos. Mas desta vez ainda consigo correr e apanhá-lo. É babete! Isto foram apenas uns dias de turpor de luto, digo a mim mesma. Amanhã vamos já atar os atacadores e sair por aí. Qualquer dia chego à paragem mais cedo e tudo!

Tuesday, October 14, 2008

About a boy - Nothing more than feelings...

Today he had convinced himself that he had to drive to Waitrose, but if he was honest the real reason for the trip was that he wanted to sing along to "Nevermind" at the top of his voice, and he couldn't do that at home. He loved Nirvana, but at his age they were kind of a guilty pleasure. All that rage and pain and self-hatred! Will got a bit... fed up sometimes, but he couldn't pretend it was anything stronger than that. So now he used loud angry rock music as a replacement for real feelings, rather than as an expression of them, and he didn't even mind very much. What good were real feelings anyway?
About a boy, Nick Hornby

Lousy day


About a boy - Shutting life out

"God, you're a selfish bastard."
"But I'm on my own. There's just me. I'm not putting myself first, because there isn't anybody else."
"Well, he's there too now. You can't just shut life out, you know."
She was wrong, he was almost positive. You could shut life out. If you didn't answer the door to it, how was it going to get in?
About a boy, Nick Hornby

Not feeling xmasy yet

As luzes do El Cort Ingles já estão a ser montadas e a Casa já tem os artigos natalícios à venda. E, só por acaso, ainda nem chegámos a meio de Outubro. Outubro!!

Monday, October 13, 2008

Happy Birthd...? # 2

E o que é que se diz a uma pessoa que faz anos no dia seguinte ao funeral do pai?

Sunday, October 12, 2008

Happy Birthd...?

O que é que se diz a uma pessoa que faz anos no dia em que o irmão vai a enterrar?

Saturday, October 11, 2008

1920-2008

Assim pela manhãzinha, quando ainda não havia sol e o céu prometia apenas um dia cinzento e chuvoso, morreu o meu avô. Para não variar, a notícia caiu num vazio preenchido de ecos. Avô? Quem? O meu? Não conheço... É sempre assim: nunca sinto NADA. Não sei explicar porquê, sou simplesmente assim. Apago todos os registos emocionais (não que houvesse muitos) e fica apenas a ficha com os dados preto no branco. Olho para o resto à minha volta, para as pessoas que foram atingidas como que por uma bomba, e parece tudo tão estranho que é como se estivesse fora do quadro. Resta-me apenas seguir a corrente e ir emprestando o meu ombro pelo caminho e para além do destino. Gostava de poder dizer adeus avô, foste alguém especial para mim e trazer-te-ei sempre comigo. Mas como disse, não sinto nada.

Friday, October 10, 2008

About a boy - Já tinha saudades destes retalhos

He had to say that the thing he found most attractive about her was that she had tried to kill herself. Now that was interesting - sexy, almost, in a morbid kind of way. But how can you contemplate dating a woman who might top herself at any moment? Before, he thought that going out with a mother was a heavy number; how much heavier would it be going out with a suicidal mother?
Nick Hornby

We're not moving...

Eu bem disse que ia voltar a 2006, mas alguma coisa empanou...

Thursday, October 09, 2008

Cereal drama


O que é feito daquelas caixinhas individuais de cereais que costumava ver quando era miúda? Isso é que dava jeito voltar a encontrar...

Wednesday, October 08, 2008

About a boy - The silence is finally over

When had he ever been out with a woman who looked like Julie Christie? People who looked like Julie Christie didn't go out with people like him. They went out with other film stars, peers of the realm, or Formula One drivers. What was happening here? He decided that children were what was happening here; that children served as a symbolic blemish, like a birthmark or obesity, which gave him a chance where previously there would have been none. Maybe children democratized beautiful single women.
Nick Hornby

A tão desejada alta


Fiz tudo o que o senhor doutor mandou; (muito a custo) estive quieta durante o tempo necessário. Agora está na hora de partir isto tudo! Hoje já me posso mexer à vontade!

Tuesday, October 07, 2008

Fasten your seat belts

E foi neste primeiro grande dia de chuva que o corpo docente resolveu ligar o turbo plus. Vamos lá ver onde é que isto vai dar...

Monday, October 06, 2008

Talk about bad timing

Anda uma pessoa a tentar esquecer as vozinhas que se vieram instalar (sabe-se lá durante quanto mais dias) na minha cabeça e a entidade paternal decide passar a tarde a ouvir When a man loves a woman em loop mesmo na sala ao lado...
.
(além disso, a ironia da situação deixa-me simplesmente perplexa...)

Going back to good places

2006, cá vou eu!

Sunday, October 05, 2008

Gestos proibidos

Há coisas que simplesmente não se fazem. Não comigo e nem agora. Que eu queira esvaziar o tanque, isso é comigo. Que me plantem dúvidas, palpitações e ervas daninhas é outra. Não criem sonhos por mim... Talvez a minha forma de agir, toda ela produtora de bolas de sabão imateriais, não seja a mais bonita ou corajosa, mas é a que me permite adormecer quando pouso a cabeça na almofada. É o que acalma as neuras que me visitam. Existem metas a cruzar para as quais ainda não há desportistas. Há pessoas que não são para aqui chamadas e nenhuma deveria tentar rasgar a fita da chegada. Não há muito mais que se possa dizer; vamos esperar que a pele se regenere e que este arranhão desapareça.

Saturday, October 04, 2008

A odisseia continua...

...lá vamos nós felizes e contentes para Castro Verde!!

Ainda vamos percorrer todas as casas Kep por esta Tugolândia...

Friday, October 03, 2008

Agora que já acordei...

...tenho cá para mim que este vai ser mais um dia fantástico!!!

Ligeiro mau acordar...


Não, ainda não estou viciada em café, simplesmente há já algum tempo que não me levanto às sete da manhã...

Thursday, October 02, 2008

A little less conversation

E é assim que decore um dia espectacular! Menos reflexão e mais trabalho. Ponto final.

Wednesday, October 01, 2008

Good morning!


Vamos lá recomeçar de novo. Há mais um dia à espera, lá fora e cá dentro. Chega desta letargia matinal de todas as manhãs. Deixar as neuras e preguicites de lado e aproveitar o dia. Hoje vamos fazer coisas!

Worst timing ever...


Definitivamente esta é uma péssima altura para o coração vir com caprichos. Pieguices, cheguem-se para lá! Além disso seria uma estúpidez deixar-me afectar por um pacote de açúcar. Eu tinha já pensado em todo um protesto escrito para quando este pacote me voltasse a acompanhar o café, mas honestamente, hoje estou sem grande vontade para o fazer. Há dias em que, mesmo quando nos sabemos cheios de coisas boas, o coração prefere obstinar por algo que (ainda) não tem. O que é que se há-de fazer? O coração é um orgão de birrinhas.

Something missing...

O simples facto de que há semanas (meses?) que não cito livro nenhum é prova suficiente e irrefutável de que este tem sido um ano desastroso a nível literário. Talvez neste últimos meses se componha qualquer coisita.