Pages

Friday, February 23, 2007

One day more*

Mais um dia, mais um ano... Vinte e um são um sítio estranho. Por razão nenhuma, simplesmente o dia em si foi de modos que bizarro. Começo a aprender que os aniversários podem ser apenas mais um dia, vulgarucho como qualquer outro mas com mais telefonemas à mistura. A criança cá dentro ainda acha estranho - passar o dia sozinha. O toque constante do telemóvel é deveras simpático e arranca-me sempre um sorriso, mas faltaram os abraços, os sorrisos. Não sei, é estúpido. Não sei porque é que não sabe a certo. Acho que é o já não correr por aí aos saltos a atirar confetis para o ar, anunciar a amigos e professores que é o meu dia. Porque não me sabe correcto chegar e pedir mimo. E fico a olhar, a esperar felicitações que (compreensívelmente) não chegarão do nada. E depois chega a hora do adeus e tenho pena do que deixei por dizer. Houve abraços por dar. Abraços que estiveram quase lá. Alguns que custaram a deixar para trás. Idiota! Custava muito sorrires e dizeres qualquer coisa subtil acerca do assunto?... Vinte e um anos e continuo a mesma parva...

*One day more, Les Miserables Soundtrack

3 comments:

marina said...

lol eu uma vez num dia de anos meu, passei a tarde a limpar o quarto. o que quero dizer é que certa maneira o dia de anos é um dia como outro qualquer senão houver nenhuma comemoração. não penses tanto no qua fazes (ou fizeste) no dia de anos, pensa sim em quem pensou em ti =) o telemóvel tocar é aquele bom sinal que alguém se lembra de nós =)e depois, pronto, ficamos mais velhos e sentimo-nos deprimidos =P hehe kidding

=) beijinhos ******************

Martinha said...

acho que ha medida que mais anos nos chegam, os dias de aniversario tornam-se cada vez menos emocionantes. cada vez mais normais. mas talvez isso tambem tenha o seu lado bom. significa que estamos a crescer. comecam a haver coisas mais importantes que ter um dia so para nos ! =)

mesmo assim, era o teu dia. e eu falhei nessa parte de contribuir com mais um telefonema ou uma mensagem dessas que te fizeram sorrir.

mil desculpas e outros mil beijinhooooooos ! *

xary said...

pegando no que a marina disse no início do seu comentário, acho que com a idade crescida apercebemo-nos que já não é tanto o depositar o nosso festejo nas mãos dos outros, mas fazê-lo nós proprios. seja de que maneira for. independentemente das mensagens, telefonemas, palmadinhas nas costas e repenicares de bochechas. celebrarmo-nos.

de qualquer das maneiras, há sempre uma parte que anseia pelos confettis coloridos lançados ao ar. em nossa honra. quem diz confettis diz um puff jeitoso acompanhado de um chá (sabor à tua escolha) ;) hehe e espaço para uns quantos passinhos de dança. parece-me bem...e a ti? ;)

beijos grandes *