Pages

Sunday, July 29, 2007

Túlipas brancas

Está na altura de mudar. De aprender. De me amar. De aprender a amar-me genuinamente. Porque os holofotes também se fundem e o meu coração devia ser um pirilampo. Dia e noite. Venha o que e quem vier. Já aprendi a teoria, e é tudo muito bonito. Agora tenho de começar a tentar a prática.

2 comments:

tati said...

Já somos duas. Também tenho de começar a gostar mais de mim...mas não só. Tenho de parar de querer agradar os outros e ser eu...DESCOBRIR-ME. Onde foi parar o meu eu no meio de tantas pessoas à minha volta.

Demasiados eus que quis agradar. Demasiados. E no fim não há recompensa...nenhuma. Pelo contrário.

xary said...

Pois é como disse a Tati, no final o Eu que deveria sair mais recompensado, não sai coisa nenhuma. e às tantas não se percebe que Eu é este, ou que Eu poderá ser e que caminho trilhar para O encontrar. mas é um processo que tem de ser feito e percorrido. com persuasão. com força. não nos deixarmos perder mais e pelo contrário, encontrarmo-nos no colo de uma túlipa branca, se tiver de ser aí. se tiver de ser será e nós seremos.

(ia agora dizer que não conhecia o simbolismo da túlipa branca para ti mas depois lembrei-me do leite que tem a túlipa branca e o slogan de 'se eu não gostar de mim, quem gostará?' e talvez seja esse o simbolismo do título, ou então talvez não mas foi a relação que encontrei. :$)

beijos grandes * :)