Pages

Thursday, February 02, 2006

Dispersão

Perdi-me dentro de mim
Porque eu era labirinto,
E hoje, quando me sinto,
É com saudades de mim.

Passei pela minha vida
Um astro doido a sonhar.
Na ânsia de ultrapassar,
Nem dei pela minha vida...

Para mim é sempre ontem,
Não tenho amanhã nem hoje:
O tempo que aos outros foge
Cai em mim feito ontem.

[... ]

O pobre moço das ânsias...
Tu, sim, tu eras alguém!
E foi por isso também
Que te abismaste nas ânsias.

A grande ave dourada
Bateu as asas para os céus,
Mas fechou-as saciada
Ao ver que ganhava os céus.

Como se chora um amante,
Assim me choro a mim mesmo:
Eu fui amante inconstante
Que se traiu a si mesmo.

Não sinto o espaço que encerro
Nem as linhas que projecto:
Se me olho a um espelho, erro -
Não me acho no que projecto.

Regresso dentro de mim
Mas nada me fala, nada!
Tenho a alma amortalhada.
Sequinha dentro de mim.

Não perdi a minha alma,
Fiquei com ela, perdida.
Assim eu choro, da vida,
A morte da minha alma.

[...]

(As minhas grandes saudades
São do que nunca enlacei.
Ai, como eu tenho saudades
Dos sonhos que não sonhei!...)

E sinto que a minha morte -
Minha dispersão total -
Existe lá longe, ao norte,
Numa grande capital.

[...]

Desceu-me n'alma o crepúsculo;
Eu fui alguém que passou.
Serei, mas já não me sou;
Não vivo, durmo o crepúsculo.

[...]

Perdi a morte e a vida,
E, louco, não enlouqueço...
A hora foge vivida,
Eu sigo-a, mas permaneço...

........................................................
........................................................

Castelos desmantelados,
Leões alados sem juba...

.......................................................
.......................................................


Mario de Sá-Carneiro

Por razões óbvias de tamanho tomei a liberdade de cortar 9 quadras do poema

4 comments:

xary said...

eish fiz trabalho de literatura portuguesa contemporânea sobre ele e por acaso sobre o tema da dispersão.

he's back to haunt me now (HEELP!)

lindo.lindo.lindo :)

beijo grande*

Rogério said...

"Passei pela minha vida
Um astro doido a sonhar.
Na ânsia de ultrapassar,
Nem dei pela minha vida..."

tanto k sonhamos e tao pouco k vivemos. retrata bem como muitos de nós nos sentimos em algumas alturas da vida. brilliant!

=) bjs

**************************

marina said...

lindo! relembra-nos que não nos podemos esquecer de viver, porque se não, pode ser tarde de mais.

lindo mesmo
:)*****************

sancie said...

:) great poem