Pages

Sunday, May 14, 2006

Uma pequena fresta de luz

Fui contrariada. Já sabia o que ia acontecer, e não ia ser bom! Mas pronto, mesmo assim resolvi dar mais uma hipótese ao destino. A primeira hora passou e nem uma palavra. Jantar, pessoas que não conheço de lado nenhum (era o que eu previa!). Observações sobre decoração, sobre a comida, as aulas, os professores, e aí está! - conversa com estranhos! Lentamente as minhas barreiras "tímidas" vão baixando... Olhares, risos, espontâniedade!...

Depois de jantar surge mais um (grande) desafio - calçar os saltos, convidar quem não conheço para dançar (sabendo a desgraça iminente que os saltos geralmente trazem). Frank Sinatra, Michael Bublé, Robbie Williams... até agora tudo bem... Rumba, rock and roll, kizomba, funaná, chachacha, tudo coisas que ninguém me ensinou, mas que vou aprendendo, um par de cada vez...

Cada vez há mais pessoas. Rostos conhecidos que se aproximam e sorriem. Animações, que não só primam pelo rigor da perfomance e interpretação dos bailarinos, como trazem também aquela sensação de "tudo em família"... Nunca pensei que tal fosse acontecer nesta escola, mas para minha surpresa aconteceu. E eu... eu vou-me familiarizando aos poucos, que é a velocidade que o meu temperamento "reservado" permite.

Duas ou três palavras com quem já conheço... Sento-me no palco ou no jardim e deixo que os pés descancem o mais que puderem até à próxima dança. E os saltos lá estão... Duas, três, sete, quinze voltas seguidas e nada de difícil ou doloroso a reportar!

O corpo cada vez com mais expressão, cabelo solto como já não tinha há muito tempo. Sinto-me... feminina... Estou (infinitamente) feliz! Porque esta noite, para além de dietas, complexos e timidez, cheguei a MIM! Sem medo, sem receio, aqui estou! Eu, o verdadeiro eu! Porque esta noite (prenda dos céus!) eu sou transparente, respondo a palavras e movimentos naturalmente, sem ponderações... Afinal, parece que esse lado do espelho não é tão impenetrável como parece, e lá ao fundo (bem lá longe) surge uma luzinha no final do túnel...

3 comments:

marina said...

ohhh...gostei!!

e tudo correu bem...não krias ir ao jantar, mas tudo tomou o caminho certo...

é bom quando temos essa sensação de nós próprios, de descoberta. que essa sensação permaneça...

:) ***********

Tati said...

Tudo está bem quando acaba bem:D
ainda bem que pudestes ser tu, libertar-te, socializar com novas pessoas, etc. tudo isso faz muito bem...tu bem sabes nem preciso de dizer!

é bom quando chegamos ao fim de um dia e sentimos que esse dia foi cheio mas cheio no sentido positivo, um dia divertido.

fico muito feliz que possas ter te divertido e mostrado a essencia do teu eu.

*****:D

xary said...

foste contrariada mas foste. algo em ti - por mais pequenino que fosse - ajudou nessa direcção. suaves instintos aos quais depois agradecemos porque afinal, valeu a pena. a teimosia nunca vence :P

e depois tudo faz sentido. tu farias falta. não presenciarias tudo o que presenciaste e sentiste se não tivesses ido. da próxima vez já sabes ... é ir e mais nada ;)

e essa transparência de que falaste, o agarrarmos o nosso próprio eu, isso é a maior recompensa de todas, a boa acção do dia :)

beijo grande*