Pages

Thursday, August 10, 2006

Praia

O mar é azul de tinta, o sol desvaira de gritos nas riscas vermelhas dos toldos, ondas rolam mansamente do alto, estendem as mãos às crianças, corpos bronzeados de linhas firmes

[...]

senhoras sopradas no volume e na idade fazem tricot à sombra, têm gestos sérios para os pares de namorados

[...]

atletas exemplificam o seu vigor em saltos e pontapés, para os toldos apartados alastram-se famílias numerosas, chapéus, lenços, coletes abotoados até cima

[...]

pescadores sorriram e continuaram a remendar os seus carrinhos de uma brancura de leite.

Vergílio Ferreira


É bom saber que há coisas que pouco ou nada mudam... Este conto soube bem no meio da praia...

3 comments:

xary said...

foi isso mesmo que pensei "se ela leu na praia deve ter feito uma sensação de deja-vu..." :P

hehe

ja estou a ver tu a descobrires as "7 diferenças" entre cenário do conto e onde te encontravas ;)

beijo grande*

sancie said...

LOL

Moças, vocês e o Virgílio Ferreira:D

A lifelong romance, so I see :D

************************

marina said...

ai vergilio, vergilio...

:) *********