Pages

Friday, September 15, 2006

Write me something new(*)

Escreve mais Joaninha.... Sabe bem o reconhecimento, sabe bem esta valorização nova... Sabe bem, sobretudo por observar-los/vos a descobrirem um lado novo. É aquele desvendar um elemento surpresa. Tenho estes estranhos mecanismos em mim que me fazem esconder-me dos outros. Esconder o bom. Para depois de "separar o joio do trigo" (sejamos sinceros, há pessoas que preferia não ter conhecido e pior, que não me tivessem conhecido a mim - inteira!) poder dar-me de verdade, mostrar-me sem medo de ser repudiada ou rebaixada. Não é um drama!, é um simples mecanismo de auto-defesa. Já sei!... sai-me o tiro pela culatra, há tantas amizades que poderia ter feito sem estes artifícios... Não estou aqui para lições de moral! Reconheço o que está mal e tento diminuir a dose... Mas é estranho, encontrar o equilíbrio, porque não sei ser meia de mim. Ainda tento essa corda bamba, mas acabo sempre por cair na rede. Ou sou inteira, a festa e orquestra completa, foguetes incluídos, ou não sou nada - um fantasma de mim.

Sê inteira, sê autêntica, não tenhas medo... Não consigo ser assim - vaguear pela rua de braços e coração aberto - eu jogo pelo seguro, vou pela sombra até realmente valer a pena banhar-me ao sol. E verdade seja dita - quantos de vocês me aceitariam inteira, sem uma iniciação? Sem uma introdução? Quantos não ficariam assustados, não se afastariam? Tu fritaste sozinha, e foi assim, de repente!... Não, eu sempre fui assim, o pacote completo. Mas nunca (me) tinha libertado assim sob pena (e certeza) de ser mal recebida. Porque eu sou uma pessoa... peculiar. Digo coisas estranhas, faço coisas estranhas, gosto de coisas estranhas. Eu sou uma mistura eclética e invulgar. E não há mal nenhum nisso. Também não dá direito a nenhuma condecoração. Simplesmente sou assim................. afastei-me completamente daquilo que queria dizer. Escrever ao sabor da pena é mesmo assim. Vamos recomeçar:

Escreve mais Joaninha... Os elogios trazem consigo o espectro de uma nuvem negra - a espectativa. Escreve, quero ler mais coisas tuas... a minha mente fica em branco. Um monitor vazio com o espaço das futuras letras a piscar... E começou a ouvir, incessantes, aquelas musiquicas irritantes dos concursos de televisão, quando um concorrente está a pensar... Nada! Não tenho nada de valor para dizer. Não hoje. O meu poço está seco desta sede de vos saciar a vontade. Quando se conquista tempo de antena é difícil definir prioridades... não sei por onde começar... Que janelas abrir primeiro... Está noite está frio. Mantenho as fechadas. Vamos esperar o nascer de um novo dia.

(*) blog da xary

3 comments:

Martinha said...

Parece-me que, sem saberes, já escreveste esse "mais" neste post.ou pelo menos, começaste-o com a vontade e determinação que nao tens so na escrita =)

para conseguir, basta começar.
é o que fazemos todos os dias nos blogs =) começamos. sim. todas as nossas palavras tenras são começo. ainda.

=)e pensar sobre como escrever melhor já é um melhorar de palavras.

"escreve mais Joaninha"

com paciencia. sabendo esperar os dias mais ou menos inspirados.

=)

**************************

sancie said...

oh, don't worry.

to a large extent, we all are, more or less, aqcuired tastes.

and not a sane one on the bunch, by the way :D

*********************

xary said...

não consegues andar por aí de coração sempre aberto porque já sentiste na pele o que isso pode custar e mais vale pôr activo o mecanismo de auto-defesa do que dares mais oportunidades de coração partido e desiludido. perde-se menos. dói menos. e o que fica, quem fica, valem mais :)

escreve mais mas porque queres escrever mais. com o tempo quem quiser ler-te lê e quem não quiser...well, doesn't matter. porque as palavras aparecem para quem entende os seus significados.

beijo grande* :)